Ataque de nervos, sofrimento previsto?

Arrumando novamente

malas, pastas, roupas,

escova, gravata, meia

carregadores, adaptadores

traquitandas mil

Nem consultava mais

a lista, sabia de cor tudo

o que deveria levar e

dobrar, enrolar, por dentro

do que e como.

Mais 10 dias longe

de casa, do cachorro

que está doentinho, do

roupão velho, da água

que bebe no gargalo

Neste mês já foram

duas e no mês passado

3 e 2 no próximo. Assim

tem sido, faz tempo.

Ué, trocaram a torradeira?

Nem sabe o que

rola por aqui, em que

perrengue estão metidos

os meninos. Do par então…

melhor nem lembrar.

Sente que tudo

acumula em algum lugar

do tronco, que tem um

tubo, que insiste em

arder, ao longo do dia.

O colega vai passar

de compartilhado para

rachar a ida pro aeroporto

dentro de 10 minutos. De novo,

não dá tempo pra conversa.

O snooze do despertador

comeu 10 minutos que agora

fazem falta para ao menos

falar abobrinha em casa

e saber qualquer coisa

Fecha a mala de carrinho

ajeita a roupa frente ao

espelho que devolve rugas

para todo lado e olheiras tb

Deu vontade de ter um ataque

Passou a vontade, respirou

fundo e seguiu;um perfume,

um alinhamento de cabelo,

uma postura para enfrentar

mais uma batalha… vai seguir.

Chega na porta de saída,

mas o cachorro nem levanta,

nem acena com o rabo,

está mesmo doente…e

deve ser sério, deve ser…

Grita tchau para todo

mundo, com voz de vapor

d’água, sem cor, sem cheiro

sem gosto, só tchau e segue

arrastando a mala pelo corredor

 

Um comentário em “Ataque de nervos, sofrimento previsto?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.