Humanas x Exatas uma separação sem sentido

Humanas-exatas
  • Exatamente humano

Faz um certo tempo que existia

uma disputa, uma competição,

para escolher se a profissão

seria de exatas ou de humanas

  • Mais astúcia para as exatas

É o que se falava, desde então

Que as engenharias, físicas e

matemáticas precisavam de

pessoas mais astutas, mais

esforçadas, mais 3 letras

  • Para as humanidades mais cultura

E para os que não gostavam de ler,

de bordar ou de inventar estórias, melhor

escolher exatas pois eram mais objetivos

mais centrados, menos propensos aos

sonhos, mais pé-no-chão

  • Criada a segregação: humanas x exatas

E nos cursos, os prédios das aulas são

via de regra, separados, distantes mesmo.

Matemática na ala norte, literatura na ala sul

Nenhuma disciplina em comum e mesmo nas

festas não havia “mistura.

  • Quem inventou isso não se sabe

Mas, parece, que existe até hoje

E separados ficaram os físicos de um lado

Poetas do outro; astrônomos prá lá

e historiadores prá cá.

Engenheiros? distantes dos Sociólogos.

  • Só não contaram para a vida

Mas e na vida? os pensamentos também

não se comunicam, não se entrelaçam?

Escrever é prerrogativa de uns?

Um expert em tubos de ensaio não chora

lendo uma obra especial?

  • A tal da rede, onde fica?

Crescente o entendimento de que

tudo está interconectado; crescente

a destinação do tempo despendido

em redes; logo, qual o sentido da separação

entre áreas do saber?

  • Humanamente exato

As áreas se intercomunicam e ganham

em saberes com as trocas das mais

variadas. É prática antiga entre cientistas

trocar opiniões sobre experimentos e

conclusões. É humanamento exato.