Dá para dizer a verdade? Quando os times silenciam

Dizer a verdade, a grande encrenca nos times

Muitas vezes, ao receber uma orientação de tarefa, ou mesmo um novo projeto, surge uma visão no meio do time que vai na direção contrária ao que foi proposto.

Alguém enxerga um risco, uma questão que não foi posta na mesa, ou mesmo uma forma mais simples de chegar ao resultado. Só que… todo mundo silencia.

silencia

Os medos são muitos e favorecem o silêncio

Tempos mais do que bicudos, discordar da liderança, da chefia, ou mesmo do sócio pode trazer grande sofrimento.

O discordante pode ser encarado como um obstáculo, como alguém que está jogando contra, como um arauto da desgraça, corpo mole e, por aí vai.

Pode ter sua avaliação de desempenho comprometida e, até, demissão.

corpo mole

O silêncio se instala mesmo entre pares

Contar para o colega a ideia que é contrária àquela que foi proposta também pode trazer encrenca. Tudo pode vir a tomar proporções, sair do papo de dois e ir parar lá no ouvido de quem não se deseja incomodar.

Todos acabam por ouvir as instruções, anotar algo, se for o caso, balançar as cabeças e vida que segue

balançar a cabeça

Conhece ou experienciou situação parecida?

O novo sucede o velho mas as barreiras estão borradas

Mesmo em estruturas mais enxutas, com propósito mais conectado com as novas práticas podem ser encontrados problemas de comunicação.

A urgência instalada acima de tudo faz com que o entendimento do que realmente precisa ser executado seja transmitido por meio de drops, diálogos breves, entremeados por diversas interrupções para contatos com diversas telas.

Se o time não entende, como faz para agir?

Temos atuações em que cada integrante faz uma parte, muitas vezes sem entender o todo e o retrabalho já está no radar.

Maior o custo, o tempo dispendido e a desmotivação… repetir tarefa é para qualquer profissional um rebaixador de satisfação.

Tem saída ou o cenário é feio assim mesmo?

Se a liderança não se dá conta, o processo de melhoria vai se arrastar por tempo indefinido.

Como numa orquestra se o maestro não percebe que há dissonância o trompete pode continuar errando, baixinho, que fica tudo bem.

Pode ser que alguém da clarineta avise que há algo errado; pode sim.

Mas também pode toda a orquestra fazer uma apresentação estridente hoje, na quinta e no domingo. Tudo igual…

Ou pode ser um espetáculo inesquecível

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.