Erro ou ignorância

O erro resulta do

pensar conhecer

um tema, vários,

pensar conhecer

bichos, gente…

 

Pensar conhecer

pode ser perigoso,

inebria e dá a sensação

de que nada mais

há para perguntar

 

Essa sensação é

conhecida como

“passa-moleque”

ou rasteira. É sentir

a danada que em seguida

 

se vai ao chão. Parando de perguntar

cristaliza, estagna, cria

limo, crosta, craca, teias

de aranha e cotão.

E, lá se vai a chance de

 

que exista

um pouco mais, um

pouco além, algo

que ora não se divisa

mas que pode estar lá

 

Ignorar é distinto, salvo

melhor juízo, vossa mercê.

É ter todas as possibilidades

para investigar, para percorrer

para tratar, junto ou separado

 

Talvez seja mais interessante

ignorar do que errar…

Talvez seja mais

simples e menos

“empoado”

Garantia, no entanto,
é névoa fina que
o tato não alcança,
o nariz perde o
cheiro e barulho não faz

 

 

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.