Poder e glória, quem lhes deu?

Poder e glória,

fama, aplausos

olhares, cabeças

voltando na direção

deles.Quem deu?

Indiferença não

lhes cabe, nem

tão pouco a modéstia.

Quaisquer ação ou

inação repercute.

Intensos sentimentos

despertam com frequencia

amores, idolatrias, raivas,

ressentimentos, ódios

sempre relevantes

Habitam um olimpo

cercado de brumas.

Têm coceiras? unhas doídas?

e cera no ouvido, também?

Ou são asséptico-pasteurizados?

Fazem de conta para

os outros que inabaláveis

decodificam horizontes.

Para os demais é só uma

linha, lá longe mesmo.

Exibem seus conceitos

e pensamentos em todos

os cantos e para todos os

meios, há quem se interesse

por eles. Sempre há…

Numa versão atualizada

de semi-deuses desconsideraram

poderes antigos, para jogar com

cifrões, redes, produtos, medo,

anseios e outras commodities.

Espadas nem adagas,

nem capas nem turbantes,

nem tapetes que voam;

nem sabres, nem anéis

de luzes, não; nada disso.

Poder recebido

de milhões em todo o globo,

docilmente encantados

pela suas auras. Mas …

quem adornou? Quem botou lá?

Para dar maior graça

ao convívio entre os

que estão acima, resolvem

dançar entre twiters e

adds impulsionados.

As mesuras da coreô

são desenhadas a cada

lance, complementando

o esmagão as cabeças não

muito pensantes, como aqui.

 

Quem lhes deu?

 

 

 

 

 

Um comentário em “Poder e glória, quem lhes deu?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.