Quem foi?

Olhando pro lado e pro outro,

pra cima e para baixo;

muita pose… encarando

a mesa ou a tela… disfarça:

“muito o que fazer”

 

Desviando das tarefas,

terceiriza o protagonismo:

recolhe as mãozinhas tal

como Horácio, o dino,

e nunca é sua vez.

 

Senta no pelotão

dos fundos, na turma,

sem responder. Atrever-se

a resposta ou a ajudar?

Para quê?

 

Atribui o insucesso,

o infortúnio às

condições do clima,

às más companhias,

à família, à Lua na casa V

 

Se por descuido, acaba

num beco sem saída,

fecha os olhos, abaixa

a cabeça e já mareja

os olhinhos… é o fim!

 

Sua chance de assumir

o que quer que seja,

nos inúmeros eventos

da vida é infinitesimal:

nem consta do seu repertório.

 

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.