Fechando um, abrindo outro.

  • Este 2017, de fato, não teve comportamento amador!

De nenhuma maneira, que fique registrado

 

Continuou a ser desvendada a face mais antiga

do Estado que insiste em ser servido.

Como na época da revolução francesa, lá em 1789

figura de um quadro famoso aludindo a revolucao francesa

….quase se  ouviu dizer para o povo que comam brioche

se não é possível comprar o pão!

 

  • Houve também o retorno de doenças como a

febre amarela que já não se ouvia falar por aqui

desde 1958 , quando declarada sob controle,

há quase 60 anos.

 

quadro em fundo amarelo com os sintomas da febre amarela

 

  • O Rio de Janeiro, estado que foi capital do Brasil

de 1763 até 1961, se tornou exemplo de tudo o

que de pior pode acontecer com o restante da

federação.

  • A administração pública não dá conta do pagamento

de salários e aposentadorias dos servidores, nem dos

serviços elementares como saúde, educação, transportes

e segurança pública.

  • O estado virou uma especie de “bicho-papão” para amedrontar os demais.

” Se não fizer mudanças vai ficar igual o Rio de Janeiro”,é frase repetida a exaustão.

foto da praia do arpoador

 

 

 

foto de sao goncalo exibindo comercio ambulante em desordem urbana

  • Teve ainda um julgamento que após 3 anos do ocorrido e da aparente abundância de provas resultou em nada.
  • Teve prisões de pessoas social e economicamente relevantes, cercadas de manifestações midiáticas devidamente registradas e repetidas reforçando a monetização dos diversos meios de comunicação.

 

  • Diversas delações, termo que fez parte da conversa de boteco, incorporado ao dia a dia, que foram responsável por diversas crises de ansiedade e mercados financeiros em curto circuito. O chefe do governo central balançou mas tal qual bambu retornou ao prumo e Tudo como dantes no quartel de Abrantes  e viva Napoleão!

 

  • Desnecessário é relembrar o nível indecente de desempregados, de “nem-nem”, de toda uma geração perdida .

Um profunda desconexão entre a produção de riqueza e a distribuição.

Tributos passeando na capital do país e os cidadãos vivendo nos mais de 5 mil municípios, muitos sobrevivendo de “mesada”. Tratar da precária situação do saneamento básico e do tratamento dos dejetos sólidos é de revirar o estômago.

 

  • De comércio exterior “ni hablemos” e da perda de importância deste país no cenário internacional, também não.

Como dito anteriormente, amadores não dão conta de toda esta situação.

  • Para acalmar as palpitações que a breve retrospectiva reserva, lanço mão de duas frases, de poder curativo, na minha visão de gente simples, classe média solapada e sem requintes.

 

  • Frases que ajudam ao rio que necessariamente deve  entrar no mar, pois outro caminho não há:

foto com um mar ao fundo e na frente inscricoes de pensamento de Osho

As frases são:

  1. Não tenhas medo“, repetida mais de 100 vezes no livro mais lido do mundo:  A Bíblia .  Triste da criança que não ouviu esta frase do seu adulto.

Mas …mesmo sendo adultos e mesmo sem crer, repetindo diversas vezes pode ser um alento… Experimentar é gratuito e sem contra indicação : repita em voz alta.

  1. Chegamos ao ponto em que coletivamente estamos fartos de tudo e individualmente fartos de estar fartos. Extraviamo-nos a tal ponto que devemos estar no bom caminho”  Fernando Pessoa 

Acrescentar o que quer que seja seria inútil!

Feliz 2018!

 

 

 

 

Mensagem a Garcia

ilustracao de bolsa de cartas
  • Talvez já tenha ouvido a expressão “Mensagem a Garcia” e não saiba bem do que se trata.

Lá vai….

Veio daqui

  • A expressão teve origem num ensaio escrito por Elbert Hubbard .

Resultado de imagem para Elbert Hubbard

Inicialmente publicada para a edição da revista Philistine de março de 1899.

(uau … faz tempo hein?!?!)

Resultado de imagem para revista Philistine

Fez carreira….

  • A obra se tornou muito popular, sendo traduzida em 37 línguas,

e se tornou uma bem conhecida alusão na cultura popular e comercial americana e européia até a metade do século XX.

Resumo…

  • Do tipo 140 caracteres,

A estória pode ser lida num viés de admoestação aos trabalhadores,

para obedecer a autoridade e a devotar-se ao trabalho acima de qualquer outra coisa.

Como?

  • Puxa o banquinho e coloca um gelinho com hortelã na água com bolinha (prefiro)

Resultado de imagem para puxa o banquinho para conversa

  1. O “courrier” pega a tal da mensagem…
  2. Passa por toda a sorte de perrengues….
  3. Depois de muito penar…
  4. Encontra o destinatário
  5. E.. pimba….
  6. Entrega a mensagem…

Fim do ato único

  • Captou o código morse?

Resultado de imagem para código morse

  1. Perguntar?
  2. Saber do que se trata?
  3. Avaliar os riscos na entrega?
  4. Quem escreveu a  mensagem?
  5. Se a bichinha está alinhada com o que se pensa…

Nã – nã – nã – ni – nã – não…..

Vai e entrega….

Ou : Manda-quem-pode-obedece-quem-tem-juízo

Tá nessa ainda? Tem quantas mensagens ainda na bolsa para entregar aí, hein?

 

 

ilustracao de bolsa de cartas