Revisar antes ou faz e manda?

revisar

Revisar, reler

substituir palavras

frases, acertar pontuação

olhar o formato

conferir

Confirmar o

entendimento

a legibilidade

o tom

o vocabulário

Pensar no

entendimento

do outro lado

do lado de

quem vai ler

Parar um instante

não apertar a sedutora

tecla do send, ou do print,

não, nada disso

Deter o movimento; isso

Pressão pela entrega

do relatório, do add, do

gráfico, do ptt

Do artigo, do pulse,

do mel para abelhas

Segurar a onda

contrária que vai

quebrar no meio

do peito ou do nariz

a voz estridente no cel

O adiantamento cobrado

descontado e gasto

assim que a conta viu

vem em dobro, vagalhão,

um tubo sem prancha.

Lá no fundo gosta de

rever, de dar mais uma

olhadinha, comparar as

versões, faltou nada?

As cores e formas, que tal?

Fincar o pé, a opinião

enfrentar a tormenta

revirar o rascunho, burilar

o terceiro parágrafo e a

imagem com sombra

Mais um layer

um filtro, um efeito,

um véuzinho sobreposto

uma graça, um encanto

ou simplesmente a.c.a.b.a.r

Qual a hora, o momento

a fase ou frase perfeita

que define, confere coesão,

permite um final digno

e magnífico

Já está bom, a meia boca

a meia luz, a meia distância,

mediana do que seria o

seu melhor e aquilo que

de fato vai assinar.

Felicidade insuportável

Insuportável o sorriso

radiante, iluminado e

uma felicidade que

exala incrível mais

que chanel nº 5

Alegria constante

destravada para

além da bobagem

e da pilhéria, mais

do que isto

Liberdade de

estar de bem

com a situação

com o corpo

o cargo e a meta

Alinhamento perfeito

com o universo, com o

pretendido, com o script

que sabe-se-lá-quem

escreveu

Sensação de pertencer

de encaixar, de fazer parte

sem pontas, sem conflitos,

sem olhares de banda

ou risinhos

Que insuportável é

fazer parte deste convívio

estar ao lado desta majestosa

referência de gente que se

deu bem

Azedume a cada instante

em que os 33 dentes alvos

reluzentes insistem em se

mostrar pelos mais tolos dos

motivos.

Romper com aquela rotina

ah como queria, se ver livre

daquela prisão de estar

no raio de ação da tal

felicidade alheia

O tanto que pesa o

contraponto de não

estar assim tão efusivamente

em contato com uma

animação interior

Até reclamar era estranho

perto de um ser que, ao que

demonstra, a contrariedade

e o não dar certo passam

distante

Nem uma barata lhe

aparece, nem um regurgitar

do iogurte vencido

nem uma caspinha ou

ziper aberto sem querer

Um derrubar de café

na camisa branca, um

choque na tomada

um palavrão, uma pereba

nada disso lhe alcança

Ô cansaço, ô pesar

e lá no fundo, já sem

culpa, deseja-lhe, do fundo

do seu coração, ao

menos, uma topadafelicidadedo dedão.

Ou um tropeço que

quebre algo valioso,

um vento que descabele

ou mostre que é peruca

ou que de fato, que é de mentira

 

Ajuda a empurrar?

 

Quando o bigode é o ator principal

bigode

Bigode, ralinho, abaixo do nariz,

que desconcertante!

Ninguém esperava isso e

acabou por roubar  a

atenção de todos.

Quase audível a serie

de hipóteses que se mostravam

na cabeça dos que antes lá

estavam, quando entrou,

olhando o smartphone.

Passou por entre todos

e se dirigiu para a frente:

iria falar sobre tema

cabeludo e enrolado

mas o bigodinho foi notado.

Mais do que o corte perfeito

da saia de cara alfaiataria e os

saltos altíssimos, parecendo

saídos da loja fashion, mais do

que o anelão de pedra verde.

Ninguém falava mas os

olhares que se cruzavam e os

risinhos que brotavam sem

controle, mexendo levinho

o tronco pra frente, eram prova

O que faz uma figura destas

tão poderosa e cheia de $ portar

um bigodinho? Seria um protesto

anti misoginia ou um manifesto

de transgeneridade?

Uma pessoa não resistiu e

soltou a pergunta: viu o bigode?

mas..nem era assim tão fenomenal…

mais para buço, enegrecido sob

pele mais clarinha

E os cochichos, depois do primeiro,

seguros da liberação, pipocaram das

pontas pro centro da plateia que estava

ali para aprender sobre o que poucos

sabiam… mas que se perderam em especulação

A expert, a referência, a que muito

conhece sobre, foi apequenada pelo

seu bigode que tomou toda a cena,

todas as mentes da audiência, ainda

sem se inteirar do descalabro.

Que fique claro que pagaram para

ali estar, montante nada desprezível

para o momento; não estavam ali

para galhofa ou bagunça, o ensino

médio ficou la trás.. mas o bigode…

Lá na frente, distante do alvoroço,

testava a apresentação, os recursos de

som e luz, acenava para os assessores

e olhava quase com desprezo para a

platéia que se mexia e conversava.

Posicionou o microfone, exibiu

a tela de abertura com dados de

referência e encarou de espinha ereta

o conjunto de pessoas que pagaram

para lá estar. A luz mostrava o bigode.

Cumprimentou a todos, secamente…

passou aos objetivos que pretendida

alcançar, forneceu seus dados

e iniciou desempaticamente o tema,

avisando que perguntas só ao final.

Mas o que todos queriam e

ansiavam, quase que em sofrimento

não poderiam perguntar; levariam

consigo, em aflição e cólicas de esofago.

Ou algum atrevido iria perguntar: e o bigode?

 

 

Fique tranquilo, ao final não vai dar certo mesmo

tranquilo

Fique tranquilo

ao final não vai

dar certo mesmo

afinal o que foi

feito para isso?

Desorientação

sem saber para

onde vai ou vem

sem saber o que

fazer nem quando

Pensar a longo

prazo, como faz?

perturbação

estado de tensão

sem sertão ou vereda

Milhares de coisas

encantados com o

poder de fazer muito

que nem serve para

muito, possuído pelo ter

Prometeu libertado?

idolatrando o que

vai acontecer sem

interferência, crentes

num caos generoso

Nada precisa ser feito:

de um jeito ou de outro

vai dar certo e indolente

e errante, nunca se começa

o que deveria.. lei particular

Então é certo ou quase

ou há muita chance

de não dar certo

de não atingir

de não chegar.. Há muita

O não fazer conduz ao

não acontecer na melhor

forma, no melhor modo,

ao desdém do pensar

profundo no lance do Gerson

Um juízo final que redime

os que esperam parados

indo ao encontro da pouca

dos que não têm obras,

ausentes, sempre sem razão.

Fica tranquilo, alguém

tem que fazer algo

o outro, a outra, o de fora

tragédia trivial onde

não se mete a mão

Fica tranquilo

não vai dar certo mesmo

ao final  o que foi

feito para isso?

Nada, não é?

 

 

 

Dever é não poder… faz como mesmo?

dever

Dever é não poder

quitar, pagar, fechar

e se livrar do incômodo

do estresse, do aperto,

como faz?

Muitos, muitos, muitos

devem a outros tantos

que também, claro,

sofrem com o aperto

o estresse e o medo.

Medo de não receber,

medo de não pagar,

medo do vizinho saber,

medo do chefe cobrar,

medo de resolver.

Abrir mão, escolher,

encolher, cortar,

adiar, não fazer,

não comprar  e?

não ter!

Carga pesada de

carregar oculta,

arquear sem bufar,

sofrer sem contar,

sorrir sem poder.

Sonhar, fugir,

esquecer, fingir

largar de mão,

não pensar e

d.e.s.i.s.t.i.r

 

Um terço de nós é devedor… que tal