Valetudo sempre em rota de colisão

Valetudo

puxada de tapete,

pisão no pé,

dedo no olho

sal no café

Briga comprada

com pagamento

antecipado, sem

boleto, na boca

do caixa, pimba!

Partiu para cima

sem dó nem piedade:

nada disso cabia.

Era colisão mesmo

e que voem os pedaços.

Era assim e pronto

as demais que desviem

ou que topem a pancada

por aqui? nada a fazer

só encarar

As outras se afastam

tomam distância mas

não muita pois o centro

é quem manda e não

dá para dele fugir

Visão nada clara

muito espalhado

pouca luz e que cada

uma se convença da

sina que lhe cabe

Valetudo se mantém

que desistir nem sabe

não tá ali para isso

a missão é outra

ainda que não saiba

Dentre muitas

dentre tantas que

se comportam

bacaninha, tinha

que ter a desgarrada

Segue o rumo

segue o projeto

o destino ou a

missão. Valetudo

sempre em rota de colisão

Jupter e suas luas que não se entendem

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.